Entrevistas

Paulo Govea

Artista Plástico, morando em Florianópolis, começou a pintar no início dos anos 90, quando dividia seu tempo entre o surf e as telas. Valorizando a originalidade acima de tudo, pinta uma diversidade enorme de temas e possui um carinho especial pela arte urbana. 

Idade: 

Cidade: São Paulo/SP

Fale um pouco da sua trajetória.

Sou filho de artista, minha mãe quando eu era pequeno sempre estava fazendo algum tipo de artesanato, depois quando eu já era pré-adolescente ela seguiu pintando somente telas. Foi ai que me interessei e esporadicamente pintava algumas. Vim viver de arte só em Floripa, já com 23 anos.

Se não fosse artista plástico, o que seria?

Gosto de cinema, talvez trabalhar com animação stop motion, por esse lado.

O que te inspira?

Bons artistas, boa musica, pessoas, situações do meu cotidiano, etc.

Como funciona seu dia a dia no processo de criação? 

Normalmente tenho uma primeira ideia de tema, e como vou dispor as peças dentro do quadro. Mas nem sempre é assim, existem dias que eu começo uma tela com uma primeira ideia mas ela muda naturalmente, quando é assim deixo fluir.

O que você aconselha para novos profissionais do ramo?

Que sejam persistentes porque não é fácil viver de arte, principalmente no começo. Mas quando se gosta as coisas fluem. Como qualquer profissão, o que é fácil todo mundo faz e se todo mundo faz tem muita concorrência (risos).

Qual o maior desafio que atravessou na carreira?

Essa parte financeira, pagar contas. Então, sempre tive empregos paralelos o que acaba tomando tempo e disposição. Minha maior dificuldade foi essa transição de viver apenas da arte. Porque a maioria das vezes você vê a oportunidade, mas não tem tempo para tentar, ai chega uma hora que você tem que tocar o f***-se.

Qual o papel do criador na sociedade contemporânea?

Não que seja uma regra. Mas colocar para pensar e questionar, condicionar pessoas para esse exercício. Pode ser uma boa.

Quais são suas influências? De onde você tira sua inspiração?

Tem muitas, cheguei nesse estilo de trabalho por influência da street art, nesse meu personagem no caso. Hoje me inspiro desde artistas contemporâneos até os mais clássicos.  Como Sisley, Corot, Millet, Scott Musgrove, Mark Ryden, Tinho, entre outros. 

Paulo Govea Obra Montagem

Pensando na multidisciplinalidade, que estilo de musica gosta de escutar enquanto pinta suas telas?

El Michaels Affair, Lord Newborn and the Magic Skulls, Queens of the stone age, Bob Marley, Tommy Gerrero, The Art Ensemble of Chicago, Harold Alexander, Fela Kuti entre muitos outros. Depende do meu estado de espirito.  

 

 

Junte-se a outros profissionais criativos e empresas. Cadastre-se grátis!